quarta-feira, 1 de julho de 2009

HÁ ESPÍRITOS?

Os Cristãos profitentes das religiões tradicionais admitem a existência da alma. Recomendam a alma a Deus, fazem oração pelos seus mortos – ressalvadas as exceções. É prova da crença na continuidade da vida do “ser” que deixa a vida material. Mas o que é a alma, depois da morte do corpo físico? Já que denota-se a certeza de que a vida não se extinguiu, apenas o corpo perdeu a sua vitalidade, não mais apresenta condições para manifestação da alma que ali demonstrava a sua inteligência, o seu sentimento, sua emoção ...
Como esclarece Allan Kardec, alma e espírito são denominações que diferem apenas para distinguir o “ser” que está envolto por um corpo físico (encarnado), daquele “ser” que está sem o corpo físico (desencarnado). Aí as diferenças.


Com este entendimento todos os que assumem a condição de Cristão, porque creem no Cristo, e buscam aplicar em suas vidas as lições de Jesus, não podem perder de vista que a vida tem continuidade depois da chamada morte do corpo físico. Portanto, todos que estão investidos de um físico, tanto quanto os que já o deixaram são Espíritos.


Certas divergências não têm permitido maiores esclarecimentos à maioria dos Cristãos, em virtude da ausência de reflexão mais profunda sobre aquilo que é primordial, uma vez que a vida não cessa, há continuidade e muito mais intensa que o estágio no corpo físico – este que é muito limitador para a manifestação da alma.


Quais divergências? a)- A não aceitação da comunicabilidade dos Espíritos é uma das situações inibidoras do conhecimento sobre a vida espiritual. Como se vive no outro lado da vida? Quais são suas atividades? São felizes ou infelizes? Como ficam as famílias? b)- A pré-existência do Espírito à concepção de um novo corpo, vez que a Doutrina Espírita certifica a existência da vida depois da morte física no campo espiritual, aguardando por tempo indefinido, para nova concepção e construção de novo organismo físico, em nova programação;
c)-outra divergência é a da reencarnação – reinvestir-se de nova matéria, em um novo corpo – (que não é a mesma coisa que ressurreição, que dá a idéia de retornar na mesma matéria, no mesmo corpo habitado em existência passada), o que não é possível. Assim enumeramos algumas divergências de entendimento, embora existam outras.
Complementando a alínea “c” acima, porque não é possível o “Ser” espiritual retornar a habitar o mesmo corpo físico? A própria ciência demonstra. Com o fenômeno da morte física ocorre a decomposição dos elementos constitutivos da organização corpórea, que retornam à sua condição de origem na natureza, ou seja: o cálcio, o fósforo, o oxigênio... que irão compor outros organismos: vegetais, animais, hominais e, ainda -- aqueles que permanecerão por longo tempo na atmosfera --, poderão compor e recompor muitas outras constituições orgânicas, ilimitadamente; dessa forma, como recomporiam o mesmo organismo, depois de muito tempo, para servir ao mesmo espírito ou alma?


Aceitando ou não a comunicabilidade dos Espíritos, a sua pré-existência ao corpo físico e a reencarnação, todos mecanismos evolutivos da humanidade, não deixarão de existir, porque são leis naturais e a humanidade já se submete a estes recursos desde a sua criação.


De sã consciência, será que é possível imaginar uma pessoa com uma vida física de 5, 10, 50 ou mesmo de 100 anos, apresentar-se ao mundo com o nível de inteligência elevado, como se tem visto, sendo que teve apenas alguns poucos anos para adquiri-la, se se considerar uma única existência? Vez que a Espiritualidade mais evoluída dá notícia de que os Espíritos vinculados à Terra, são o resultado de muitos milênios e muitas reencarnações, com seus erros e acertos. “Todos somos Espíritos.”


Dorival da Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário