sexta-feira, 20 de abril de 2018

O QUE O ESPIRITISMO ENSINA


REVISTA ESPIRITA

JORNAL

 DE ESTUDOS PSICOLÓGICOS

8º ANO -  Nº. 8   -       AGOSTO 1865

              O QUE O ESPIRITISMO ENSINA  
            
Há pessoas que perguntam quais são as conquistas novas que devemos ao Espiritismo. Do fato de que não dotou o mundo de uma nova indústria produtiva, como o vapor, concluem que nada produziu. A maioria daqueles que fazem esta pergunta não se dando ao trabalho de estudá-lo, não conhece senão o Espiritismo de fantasia, criado pelas necessidades da crítica, e que nada tem de comum com o Espiritismo sério; não é, pois, espantoso que se pergunte o que pode dele ser o lado útil e prático. Teriam-no aprendido se tivessem ido procurá-lo em sua fonte, e não nas caricaturas que dele fizeram aqueles que têm interesse em denegri-lo. 

Numa outra ordem de idéias, alguns acham, ao contrário, a marcha do Espiritismo muito lenta para o gosto de sua impaciência; espantam-se de que não haja ainda sondado todos os mistérios da Natureza, nem abordado todas as questões que parecem ser de sua alçada; gostariam de vê-lo todos os dias ensinar novidade, ou se enriquecer de uma nova descoberta; e, do fato de que ainda não resolveu a questão da origem dos seres, do princípio e do fim de todas as coisas, da essência divina, e algumas outras da mesma importância, concluem que não saiu do alfabeto, e que não entrou no verdadeiro caminho filosófico, e que se arrasta nos lugares comuns, porque prega sem cessar a humildade e a caridade. "Até este dia, dizem eles, não nos ensinou nada de novo, porque a reencarnação, a negação das penas eternas, a imortalidade da alma, a gradação através dos períodos da vitalidade intelectual, o perispírito, não são descobertas espíritas propriamente ditas; é preciso, pois, caminhar para descobertas mais verdadeiras e mais sólidas."

Cremos dever, a este respeito, apresentar algumas observações, que não serão nada de novo, mas há coisas que é útil repetir sob diversas formas. 

O Espiritismo, é verdade, nada inventou de tudo isto, porque não há de verdades verdadeiras senão aquelas que são eternas, e que, por isto mesmo, deveram germinar em todas as épocas; mas não é nada de tê-las tirado, senão do nada, ao menos do esquecimento; de um germe haver feito uma planta vivaz; de uma idéia individual, perdida na noite dos tempos, ou abafada sob os preconceitos, haver feito uma crença geral; de ter provado o que estava no estado de hipótese; de ter demonstrado a existência de uma lei naquilo que parecia excepcional e fortuito; de uma teoria vaga ter feito uma coisa prática; de uma idéia improdutiva haver tirado aplicações úteis? Nada é mais verdadeiro do que o provérbio: "Não há nada de novo sob o sol," e esta própria verdade não é nova; também não é uma descoberta das quais não se encontrem os vestígios e o princípio em algum lugar. Nessa conta Copérnico não teria o mérito de seu sistema, porque o movimento da Terra havia sido suspeitado antes da era cristã. Se fosse coisa tão simples, seria preciso, pois, encontrá-la. A história do ovo de Colombo será sempre uma eterna verdade.

Além disso, é incontestável que o Espiritismo tem muito a nos ensinar; é o que nunca cessamos de repetir, porque jamais pretendemos que ele tenha dito sua última palavra. Mas do fato de que resta ainda a fazer segue-se que não tenha saído do alfabeto? Seu alfabeto foram as mesas girantes, e desde então deu, isto nos parece, alguns passos; parece-nos mesmo que tem a fazer bastante grandes em alguns anos, se o compararmos às outras ciências que aportaram séculos para chegar ao ponto onde estão. Nenhuma chegou ao seu apogeu do primeiro salto; elas avançam, não pela vontade dos homens, mas à medida que as circunstâncias colocam sob o caminho de novas descobertas; ora, não está no poder de ninguém comandar essas circunstâncias, e a prova disto é que, todas as vezes que uma idéia é prematura, ela aborta, para aparecer mais tarde em tempo oportuno.

Mas, à falta de novas descobertas, os homens de ciência nada têm a fazer? A química não é mais a química se ela não descobre todos os dias novos corpos? Os astrônomos estão condenados a cruzar os braços por falta de encontrar novos planetas? E assim em todos os outros ramos da ciência e da indústria. Antes de procurar novamente não é de se fazer a aplicação daquilo que se sabe? É precisamente para dar aos homens o tempo de assimilar, de aplicar e de vulgarizar o que sabem, que a Providência põe um tempo de parada na marcha para a frente. A história aí está para nos mostrar que as ciências não seguem marcha ascendente contínua, pelo menos ostensivamente; os grandes movimentos que fazem revolução numa idéia não se operam senão em intervalos mais ou menos afastados. Não há estagnação por isto, mas elaboração, aplicação, e frutificação daquilo que se sabe, o que é sempre do progresso. O Espírito humano poderia absorver sem cessar idéias novas? A própria Terra não tem necessidade de tempo de repouso antes de reproduzir? Que se diria de um professor que ensinasse todos os dias novas regras aos seus alunos, sem lhes dar o tempo de se aplicar sobre aquelas que aprenderam, de se identificar com elas e de aplicá-las? Deus seria, pois, menos previdente e menos hábil do que um professor? Em todas as idéias novas devem se encaixar nas idéias adquiridas; se estas não estão suficientemente elaboradas e consolidadas no cérebro; se o espírito não as assimilou, as que se quer nele implantar não tomam raiz; semeia-se no vazio.

Ocorre o mesmo com relação ao Espiritismo. Os adeptos aproveitaram de tal modo o que ele ensinou até este dia, que nada tenham mais a fazer? São de tal modo caridosos, desprovidos de orgulho, desinteressados, benevolentes para os seus semelhantes; de tal modo moderaram suas paixões, abjuraram o ódio, a inveja e o ciúme; enfim, são de tal modo perfeitos que seja doravante supérfluo pregar-lhes a caridade, a humildade, a abnegação, em uma palavra, a moral? Só esta pretensão provaria a ela o quanto têm ainda necessidade dessas lições elementares, que alguns acham fastidiosas e pueris; no entanto, é somente com ajuda dessas instruções, se as colocam em proveito, que podem se elevar bastante alto para serem dignos de receber um ensinamento superior.

O Espiritismo tende para a regeneração da Humanidade; este é um fato adquirido; ora, esta regeneração não podendo se operar senão pelo progresso moral, disto resulta que seu objetivo essencial, providencial, é a melhoria de cada um; os mistérios que pode nos revelar são o acessório, porque nos abre o santuário de todos os conhecimentos, não seríamos mais avançados para o nosso estado futuro, se não fôssemos melhores. Para admitir ao banquete da suprema felicidade, Deus não pede o que se sabe nem por que se possui, mas o que se vale e o que se terá feito de bem. É, pois, à sua melhoria individual que todo espírita sincero deve trabalhar antes de tudo. Só aquele que domou seus maus pendores, realmente tem aproveitado do Espiritismo e disso reserva a recompensa; é por isto que os bons Espíritos, por ordem de Deus, multiplicam suas instruções e as repetem à saciedade; só um orgulho insensato pode dizer: delas não tenho mais necessidade. Só Deus sabe quando serão inúteis, e só a ele pertence dirigir o ensino de seus mensageiros, e de proporcioná-lo ao nosso adiantamento.

Vejamos, no entanto, se fora do ensino puramente moral, os resultados do Espiritismo são tão estéreis quanto alguns o pretendem:

1º - Ele dá primeiro, como todos o sabem, a prova patente da existência e da imortalidade da alma. Isto não é uma descoberta, é verdade, mas é por falta de provas sobre este ponto que há tantos incrédulos ou indiferentes quanto ao futuro; é provando o que não era senão uma teoria que ele triunfa do materialismo, e que lhe previne as conseqüências funestas para a sociedade. A dúvida sobre o futuro tendo se transformado em certeza, é toda uma revolução nas idéias, e cujas conseqüências são incalculáveis. Se lá se limitassem exclusivamente os resultados das manifestações: quanto esse resultado seria imenso. 

2º - Pela firme crença que ele desenvolve, exerce uma poderosa ação sobre o moral do homem; leva-o ao bem, consola-o em suas aflições, dá-lhe a força e a coragem nas provas da vida, e o afasta do pensamento do suicídio.

3º - Retifica todas as idéias falsas que se havia feito sobre o futuro da alma, sobre o céu, o inferno, as penas e as recompensas; ele destrói radicalmente, pela irresistível lógica dos fatos, os dogmas das penas eternas e dos demônios; em uma palavra, ele nos descobre a vida futura, e no-la mostra natural e conforme a justiça de Deus. É ainda uma coisa que tem muito seu valor.

4º -  Ele faz conhecer o que se passa no momento da morte; este fenômeno, até este dia insondável, não tem mais mistérios; as menores particularidades dessa passagem tão temida são hoje conhecidas; ora, como todo o mundo morre, este conhecimento interessa a todo o mundo.

5º - Pela lei da pluralidade das existências, abre um novo campo à filosofia; o homem sabe de onde vem, para onde vai, para que fim está sobre a Terra. Ele explica a causa de todas as misérias humanas, de todas as desigualdades sociais; dá as próprias leis da Natureza por base aos princípios de solidariedade universal, de igualdade e de liberdade, que não estavam assentados senão sobre a teoria. Enfim, lança a luz sobre as questões mais difíceis da metafísica, da psicologia e da moral. 

6º -  Pela teoria dos fluidos perispirituais, faz conhecer o mecanismo das sensações e das percepções da alma; explica os fenômenos da dupla vista, da visão à distância, do sonambulismo, do êxtase, dos sonhos, das visões, das aparições, etc.; abre um novo campo à fisiologia e à patologia.

7º - Provando as relações que existem entre o mundo corpóreo e o mundo espiritual, mostra, neste último, uma das forças ativas da Natureza, uma força inteligente, e dá a razão de uma multidão de efeitos atribuídos à causas sobrenaturais e que alimentaram a maioria das idéias supersticiosas.
8º -  Revelando o fato das obsessões, fez conhecer a causa, desconhecida até aqui, de numerosas afecções sobre as quais a ciência estava equivocada em prejuízo dos doentes, e que dá os meios de curar.

9º -  Em nos fazendo conhecer as verdadeiras condições da prece e seu modo de ação; nos revelando a influência recíproca dos Espíritos encarnados e desencarnados, nos ensina o poder do homem sobre os Espíritos imperfeitos para moralizá-los e arrancá-los aos sofrimento inerentes à sua inferioridade.

10º - Fazendo conhecer a magnetização espiritual, que não se conhecia, abre um novo caminho ao magnetismo, e lhe traz um novo e poderoso elemento de cura. O mérito de uma invenção não está na descoberta de um princípio, quase sempre conhecido anteriormente, mas na aplicação desse princípio. A reencarnação não é uma idéia nova, sem contradita, não mais que o perispírito, descrito por São Paulo sob o nome de corpo espiritual, nem mesmo a comunicação com os Espíritos. O Espiritismo, que não se gaba de ter descoberto a Natureza, procura com cuidado todos os traços que pode encontrar da anterioridade de suas idéias, e, quando os encontra, se apressa em proclamá-lo, como prova ao apoio daquilo que adianta. Aqueles, pois, que invocam essa anterioridade, tendo em vista depreciar o que fez, vão contra o seu objetivo, e agem desastradamente, porque isto poderia fazer supor um preconceito.

A descoberta da reencarnação e do perispírito não pertencem, pois, ao Espiritismo, é coisa convencionada; mas, até ele, que proveito a ciência, a moral, a religião tinham retirado desses dois princípios, ignorados das massas, e permanecidos no estado de letras mortas? Não só os clareou, os provou e fez reconhecer como leis da Natureza, mas as desenvolveu e fez frutificar; deles já fez sair inumeráveis e fecundos resultados, sem os quais estariam ainda para se compreender uma infinidade de coisas; cada dia nos fazem compreender coisas novas, e se está longe de ter esgotado essa mina. Uma vez que esses dois princípios eram conhecidos, por que ficaram por tanto tempo improdutivos? Por que, durante tantos séculos, todas as filosofias se chocaram contra tantos problemas insolúveis? É que eram diamantes brutos que seria preciso colocar em obra: foi o que o Espiritismo fez. Ele abriu um novo caminho à filosofia, ou, dizendo melhor, criou uma nova filosofia que toma cada dia seu lugar no mundo. Estão, pois, aí resultados de tal modo nulos que é preciso se apressar em caminhar para descobertas mais verdadeiras e mais sólidas?

Em resumo, de um certo número de verdades fundamentais, esboçadas por alguns cérebros de elite, e permanecidas na maioria num estado por assim dizer latente, uma vez que elas foram estudadas, elaboradas e provadas, de estéreis que eram, se tornaram uma mina fecunda de onde saiu uma multidão de princípios secundários e aplicações, e abriram um vasto campo à exploração, novos horizontes às ciências, à filosofia, à moral, à religião e à economia social.

Tais são, até este dia, as principais conquistas devidas ao Espiritismo, e não fizemos senão indicar os pontos culminantes. Supondo que devessem se limitar a isso, poder-se-ia já dar-se por satisfeito, e dizer que uma ciência nova que dá tais resultados em menos de dez anos, não pode ser maculada de nulidade, porque toca a todas as questões vitais da Humanidade, e traz aos conhecimentos humanos um contingente que não é de se desdenhar. Até que esses únicos pontos tenham recebido todas as aplicações das quais são suscetíveis, e que os homens deles tenham tirado proveito, se passará ainda por muito tempo, e os espíritas que quiserem pô-los em prática por si mesmos e para o bem de todos, não deixarão de ter ocupação.

Esses pontos são tantos focos de onde se irradiam inumeráveis verdades secundárias que se trata de desenvolver e de aplicar, o que se faz cada dia; porque a cada dia se revelam fatos que levantam um novo canto do véu. O Espiritismo deu sucessivamente e em alguns anos todas as bases fundamentais do novo edifício; aos seus adeptos agora cabe colocar esses materiais em obra, antes de pedir outros novos; Deus saberá bem lhos fornecer quando tiverem rematado sua tarefa.

Os espíritas, diz-se, não sabem senão o alfabeto do Espiritismo; seja; aprendamos, pois, primeiro a soletrar esse alfabeto, o que não é um negócio de um dia, porque, mesmo reduzido às suas únicas proporções, escoará tempo antes de lhe ter esgotado todas as combinações e recolhido todos os frutos. Não restam mais fatos a explicar? Os espíritas não têm, aliás, a ensinar esse alfabeto àqueles que não o sabem? Lançaram a semente por toda a parte onde poderiam fazê-lo? Não resta mais incrédulos a converter, obsidiados a curar, consolações a dar, lágrimas a secar? É fundado dizer-se que não se tem nada mais a fazer quando não se acabou a sua necessidade, quando resta ainda tantas feridas a fechar? Aí estão nobres ocupações que valem muito a vã satisfação de dele saber um pouco mais e um pouco mais cedo que os outros.

Saibamos, pois, soletrar nosso alfabeto antes de querer ler correntemente no grande livro da Natureza; Deus saberá bem nos abri-lo à medida em que avançarmos, mas não depende de nenhum mortal forçar a sua vontade antecipando o tempo para cada coisa. Se a árvore da ciência é muito alta para que não possamos alcançá-la, esperemos para ali voar, que nossas asas estejam crescidas e solidamente presas, de medo de ter a sorte de ícaro.

Allan Kardec – tradução: Salvador Gentile – Instituto de Difusão Espírita,1996.
Este conteúdo poderá ser acessado através do endereço:

Observação:  Mantivemos a ortografia na forma do uso da época da publicação.

segunda-feira, 16 de abril de 2018

"Fake News?!"


"Fake News?!"

O homem desenvolveu a capacidade de pensar, de falar, de comunicar, porque esses pendores eram de sua origem, que estavam latentes na alma.  O homem não surgir num átimo, porque é um ser espiritual que veio de um estado simples e de total ignorância. Nem seu corpo surgiu ao acaso, foi elaboração de tempo sem conta.

O desenvolvimento da inteligência e do sentimento sempre necessitou da existência de um organismo material adequado a cada fase, pois a inteligência e o sentimento não são materiais mas precisam dos estímulos das vivências em repetições de longo tempo no campo material para que se estabeleçam, consubstanciando na alma os valores do indivíduo, que se perpetuam servindo de lastro para outras infindáveis aquisições, sendo que seus resultados também se ajuntarão num vórtice permanente e em velocidade que se amplia.

O objetivo é a perfeição. A origem do homem está na obra do Criador de Todas as coisas do Universo, que são perfeitas, portanto o homem na sua origem é perfeito,  porque o Criador deseja que a criatura espiritual conquiste a sua perfeição pelos méritos próprios a partir de uma base perfeita, embora simples e ignorante. Em conta disso, toda ação consciente ou inconsciente têm consequência. O indivíduo sofrerá os estímulos que serão agradáveis ou não e terá que mediá-los porque são o resultado de suas ações.

O ser espiritual em todo o Universo utiliza o livre-arbítrio, com isto poderá fazer o que quiser, embora não deva, mas como saber se não experimentar? É pergunta óbvia. Existem no homem duas ferramentas que são atributos determinantes, a inteligência e a consciência. Numa fase preliminar prevalece a experimentação, quando se adquire o suficiente para discernir, a exigência evolutiva impõe o uso dos valores adquiridos.

Os tempos se sucederam, o ser espiritual superou as fases basilares de sua própria construção, tornou-se capaz do discernimento, pode exercer com mais propriedade a liberdade que corresponderá a sua responsabilidade. Chegou-se ao século XXI da Era Cristã. As comunicações se tornaram instantâneas com as tecnologias atuais, resultado das experiências dos tempos incontáveis desde os rudimentos das manifestações inteligentes da Humanidade da Terra. Foram os grunhidos, os gritos, a fala, os instrumentos simples de madeira ou pedra, sofisticações possíveis com o uso de chifres e outros cônicos para ampliar o poder da comunicação, a mensagem levada de viva voz, depois a escrita, surge o telégrafo, o telefone, o fac-símile, e mais recentemente a rede de computadores disseminando as redes sociais ao alcance de todos os homens indistintamente.

A procriação gera corpos, a alimentação mantem a organização fisiológica, a comunicação alimenta a alma. A comunicação tem relevância, porque não se faz maquinalmente como a troca energética para produção de corpos ou a alimentação para a energização do organismo. Ela exige intenção, planejamento e meios de se alcançar a comunicação.  Então já não é a busca de descoberta através de acertos e erros, trata-se de aplicação superior da inteligência e da tecnologia. Assim a responsabilidade se tornou enorme diante da própria consciência e da Consciência Cósmica.

Encetar mensagem facciosa, por si só, é erro grave, visando tirar vantagem, ludibriando consciências, enganando a massa que não sabe discernir, engendrando piora para o sistema de vida, em virtude da intenção de indivíduos em objetivar o ganho de poder econômico e político é gravíssimo, pois compromete milhões de almas. Almas são vidas permanentes e em permanente evolução e que sofrem e ressentem as experiências que viveu por sua própria escolha e a que lhe foi imposta por outrem.

A mentira não cessa com o eco de sua emissão, ela ressoa indeterminadamente com as suas consequências. Os responsáveis por essas iniciativas mentirosas, que correm instantaneamente o meio social, gerando resultados imediatos, demandarão tempo indeterminado para se solucionar as consequências danosas provocadas.

Ninguém tem o direito de fazer da mentira uma profissão, a nenhum pretexto, é antiético, totalmente contrário aos objetivos da vida, que é a harmonia geral, que coaduna com a harmonia Divina.

Todos estão inseridos nesse caldo social, cada indivíduo é autoridade de si mesmo, com poder de analisar, julgar e decidir, o que exige trabalho, observação, meditação e escolha, assim, a mentira causa seus efeitos naqueles que a acolhe, no entanto, as consequências podem respingar em toda a sociedade quando se trata de ações majoritárias de governos ou grandes organizações.

Antes de emitir opinião, repassar informação e acolher posicionamento de quem quer que seja é melhor fazer detida reflexão, acercar-se da veracidade dos fatos para que não haja comprometimento de consciência, que trará desassossego por tempo indeterminado.

Toda comunicação carrega os seus efeitos e a responsabilidade corresponde as consequências.

                                                                         Dorival da Silva

sexta-feira, 30 de março de 2018

Sintonia com o bem ou com o mal? Quem decide?


Sintonia com o bem ou com o mal? Quem decide?

Todo ser humano é uma antena de transmissão e captação de ondas mentais.  A sintonia é por conta de cada um consciente ou inconscientemente, desde o mais ignorante até o mais sábio. E toda sintonia tem consequências no indivíduo, compatíveis com os pensamentos cultivados.

Como antena que capta e que transmite ondas mentais é influenciado tanto como influencia, e em ambas as situações tem responsabilidade. É participante do que advier positiva ou negativamente, em qualquer circunstância, tendo mérito ou demérito. O que surgir de bom trará paz e felicidade, porque sintoniza com a Lei Natural, servindo de lastro para outras realizações nobres, tudo que desencadear o mal, exigirá reparo, o que corresponde a sofrimento, vez que é frustrante ter que trabalhar assustadoramente para corrigir o que não precisaria ter ocorrido.

O que não se pode esquecer é que as consequências são a favor ou desfavor de seres espirituais, pois que, cada ser humano é um espírito, tanto agora no corpo físico como posteriormente fora dele, vive-se os dois planos de vida ao mesmo tempo. Todos são seres universais.

Existe o medo de um tal de inferno, que por muito tempo subsistiu como sendo um local, mas, que como se fosse um espaço geográfico, sem coordenadas macrocósmicas que o localizasse, portanto, simbológico, mas, que ultimamente até mesmo as religiões tradicionais vêm dizendo que não é bem assim, este inferno não existe, o que não é mais que a constatação da verdade.

A Doutrina Espírita que teve seu início com a publicação de O Livro dos Espíritos em 18.04.1857, quando o codificador Allan Kardec veio apresentar ao Mundo novos elementos elucidadores para muitos conceitos antigos, que eram condizentes com a origem na obscuridade do entendimento, que serviram para a condução da alma humana no seu estágio evolutivo mais grosseiro.

O que se denomina inferno, deixou de ser um local possivelmente geográfico, cultivado nas mentes das gerações passadas, para agora se entender um estágio mental, uma condição temporária da alma em sofrimento, pelas sintonias negativas a que se vinculou, pelo pensar que originou as ações que culminaram em dificuldades dolorosas, em relação a si mesma ou a outrem. É sentimento de culpa, é o remorso, é a cobrança da própria consciência, que pede reparo. O que pode ocorrer na própria existência em que ocorreu ou quando não é possível em existência próxima – vez que Deus permite renascer para reparar o que não ficou resolvido e adquirir novas experiências, o que se denomina reencarnação, retornar à carne muitas vezes, em corpo novo, como criança, para esquecer-se o passado e construir um futuro melhor para a alma.

No entanto, entre uma vida no corpo físico e retorno numa nova vida existe a vivência no campo espiritual – denominada erraticidade – o que poderá ser de anos, décadas ou séculos, sendo essa necessidade específica de cada espírito. A qualidade de vida na erraticidade corresponde ao estado de consciência que o indivíduo leva da sua última existência, se era de perturbação continuará perturbado, se era feliz, permanecerá feliz.

A vida nessa fase espiritual, que é a vida normal de toda criatura humana, pois, o objetivo é que todos alcancem o estágio de desmaterialização – quando o indivíduo alcançou estágio muito elevado de Inteligência e moral, estando livre da necessidade da reencarnação, alcançando a escala de Espírito Puro. O exemplo grandioso é Jesus, o Cristo, que veio envergar um corpo físico para dar impulso à evolução da humanidade da Terra, e não por sua necessidade, foi uma missão Divina.

Nessa fase espiritual, a criatura também cresce em todos os sentidos, procura solução para os seus problemas de consciência, estuda desde as coisas básicas até as mais complexas, trabalha em seu favor e também dos outros -- inclusive dos seus amores que ficaram e ou reentraram na vida do corpo físico --, se especializa, encontra apoio para a superação de suas dificuldades.  No momento próprio, retornará à liça no mundo material num planejamento suficiente para sedimentar em si mesma os valores acolhidos no mundo espiritual, reparar na convivência com os credores do passado o que estava pendente diante da Lei Natural, pois ela está grafada na própria consciência, e ninguém se livrará dessa contingência se ela não for saldada junto a quem se deve ou através da caridade ("esta que cobre uma multidão de pecados", conforme ensina o apóstolo Pedro, 1-Pedro, 4-8), pois nem sempre será possível encontrar os nossos credores pelos caminhos do Mundo.

A sintonia com o bem ou com o mal é escolha pessoal, geralmente escolher o mal é buscar a satisfação da vaidade, do orgulho e do egoísmo pelo caminho mais imediato, mais fácil; a sintonia com o bem geralmente é penoso, exige renúncia e sacrifício dos próprios interesses.  O inferno é construção voluntária do mal que fere a própria consciência.

                                                             Dorival da Silva

domingo, 25 de março de 2018

Qual a razão da violência? Será o desejo do poder? Qual poder?


Qual a razão da violência? Será o desejo do poder? Qual poder?

Os jornais diários utilizam boa parte de seu tempo com o noticiário sobre a violência contra a pessoa, contra agências bancárias e afins, contra autoridades, enfim, afetam os mais diversos lugares do País, causando mortes, destruições, prejuízos às comunidades, sendo que os agressores matam e morrem.

Os criminosos são frutos da própria sociedade, foram bebês, crianças, adolescentes e ficaram adultos, foram moldados pelos ambientes que os acolheram. Eles têm inteligência, criatividade, carências, desejos, potenciais extraordinários, no entanto, deformados pelas exemplos equivocados.

As normas da Justiça a respeito da criança e do adolescente são muito bonitas, mas a pergunta é: Quem é capaz de aplicá-las adequadamente, para que os resultados culminem no equilíbrio e no bom direcionamento para uma vida de qualidade.

Em grande parte as família estão desestruturadas, mesmo as que estão na condição tradicional: Pai, mãe e filhos.  Os costumes estão deformados, a educação fundamental, com as exceções necessárias, não está existindo nos lares, ocorrendo muita influência no comportamento inconsequente através das mídias.  

Falham os governos e suas políticas, falham as famílias, falham as religiões, falham as escolas. Constroem-se um círculo vicioso, geração a geração, perde-se o respeito ao que é público, pois até os profissionais homens público não respeitam o que é público, não se respeita o próximo, pois os direitos são dos “espertos” e dos “audazes”, causando constrangimento aos que se esforçam numa conduta digna e honesta; boa parte dos templos religiosos se tornaram um bolsa de negócios, embora, impressionem os incautos por um breve tempo, depois caem no descrédito, minando a esperança e distribuindo desalento.

A política social cômoda apresenta a vacina para adolescentes contra o HPV, a oferta gratuita de anticoncepcionais e preservativos nos Postos de Saúde, com a ideia subliminar de que tudo é permitido desde que esteja protegido (a).  Onde a educação comportamental e a educação moral, a responsabilidade consigo e a sociedade? Lógico que não se é contra a vacinação, mas sim a favor da educação.

A violência não surge inopinadamente, ela tem origem e essa origem se encontra na intimidade do indivíduo, como artefato explosivo que aguarda o estímulo, uma ilusória justificativa, uma necessidade, geralmente influenciada, o atendimento a uma ambição que não logra usufruir por outro meio, pois não vê oportunidade, prefere a oportunidade do imediato, o agora, ou num prazo bem pequeno, embora os riscos, que ficam em segundo plano, em conta o desejo de usufruir o que lhe é imponderável, a não ser apoderar-se a qualquer preço, mesmo que criminoso.

Estamos num País denominado cristão, com templos e instituições de inúmeras denominações, que tratam do Evangelho do Cristo, além do uso dos meios televisivos, radiofônicos e da internet, dizem que evangelizam, parece mais “uma força de expressão”, porque falam do evangelho. Os resultados não parecem corroborar com essa afirmativa.  Existem sim templos onde se evangelizam, são os mais humildes, onde existem corações evangelizados, que acolhem, que orientam, que atendem às necessidades do coração. Não são sofisticados, não tem pompa, não exigem contrapartida de seus feitos.

A violência é uma semente que se instalou na alma, que vem desde os primórdios quando a defesa da vida, do alimento, da prole era fundamental, depois veio a posse com a força, a descoberta do poder pela força, da subjugação de indivíduos e de povos. A semente existe instalada e aguarda atmosfera própria para a eclosão, a atmosfera são os fatos sociais negativos, com o desrespeito ao direito de cada pessoa, o não atendimento das necessidades quotidianas, que poderiam ser atendidas, mas, no entanto, não se tem acesso.

A finalidade da religiosidade é dar clareza, lucidez, visão de futuro, pois analisa consequências das atitudes dos indivíduos, gerando uma resistência no nascedouro da força implementadora da violência. A confiança no futuro, a certeza que o mal não perpetuará, embora causar sofrimento, terá fim.  A religiosidade leva o indivíduo à ideia de continuidade da vida, para além dos limites do corpo físico, confia na existência de algo maior, substancial, que lhe dá confiança.

O violento não tem uma religiosidade, pois, isto é religar a Deus, harmonizar-se com a Lei Divina, aproximar-se do Criador; o violento está no polo contrário, distanciando-se do foco da vida, adquirindo dívidas a serem resgatadas em algum tempo.

Alguém pretender qualquer forma de poder pela força, pela subjugação de indivíduo ou povo, locupletar-se de direitos individuais ou coletivos é puro engano, exemplos muito próximos, nas últimas décadas, podem-se contar alguns ditadores considerados poderosos, que nos dias atuais pouca referência a eles são feitas, quase sempre noticiam as consequências danosas em que vivem as populações suas vítimas.

A violência é um engano, tudo o que se consegue por esta via sempre terá frutos amargosos e não tardará se extinguir, o mal não poderá durar mais que o combustível que o alimenta.  

                                                                Dorival da Silva

segunda-feira, 19 de março de 2018

O desânimo



O desânimo

Tóxico imobilizador, o desânimo se insinua suavemente, dominando as reservas da coragem e submetendo o combatente à sua ação perturbadora.
Instala-se, a pouco e pouco, inspirando pessimismo e mal-estar, que se agrava, qual invasor que conquista passo a passo os espaços abandonados à sua frente.
O desânimo é inimigo covarde que ceifa mais vidas do que o câncer, pelos resultados que logra na economia do comportamento humano.
*

Quando sintas a insinuação do desânimo, ciciando-te falsos motivos para que abandones a peleja, ou a postergues, ou a desconsideres, tem cuidado. Usa a razão e expulsa-o da casa mental.
Às vezes se te apresenta na condição de mágoa defluente de qualquer incompreensão sofrida e, noutras ocasiões, em forma de exaustão de forças, que deves superar, mediante mudança de atitude mental e de atividade física.
A marcha do tempo é inexorável.
De qualquer forma, as horas se sucedem. Utiliza-as de maneira condigna, mesmo que, a peso de sacrifícios.
Quando transponhas a barreira da dificuldade, constatarás a vantagem de haver perseverado, descobrindo-te rico de paz, face aos tesouros de amor e realização que adquiriste.
Motivo algum deve servir de apoio para o desânimo. Tudo, na vida, constitui convite para o avanço e a conquista de valores, na harmonia e na glória do bem.                                                                                                                             
                                              Joanna de Ângelis

Do livro Episódios Diários, obra mediúnica psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, Espírito: Joanna de Ângelis.

Mensagem extraída da Revista Eletrônica "O Consolador", que poderá ser acessada através do endereço: http://www.oconsolador.com.br/ano11/559/correiomediunico.html

segunda-feira, 12 de março de 2018

Morte Assistida!?



Morte Assistida!?

Há poucos dias se lia nos meios de comunicação que uma pessoa iria a um País estrangeiro para se submeter à morte assistida para fugir do medo e da dor de uma doença autoimune de que era acometida. 

Conquanto o respeito à decisão particular de cada pessoa, mesmo em atitude extrema e definitiva com a própria vida, preciso é esclarecer, conforme a Doutrina Espírita, de que a vida do ser pensante é a alma, quando está envolvida num corpo carnal, para as experiências necessárias, que pode ser uma expiação ou prova, o que corresponde a liberação definitiva dessas aflições que faz parte de sua herança de outras existências.

A morte assistida, embora todas as justificativas técnicas, médicas e até filosóficas, moralmente corresponde a um suicídio, que terá severas consequências para o que se submete como para os que a sugerem e implementam, pois é impedir o cumprimento de planejamento que o próprio padecente implorou quando se encontrava em sofrimento atroz antes de adentrar a esta vida material, acovardando-se diante do compromisso consigo mesmo, desconsiderando que é a Lei Divina que se cumpre em seu favor, comprometendo-se em muito para as existências futuras, além de adentrar sofrimento bem maior que àquele que no corpo material se apresenta. 

Não há sofrimento por maior que possa parecer no corpo físico que não tenha correspondência com a condição espiritual do que sofre, na verdade, é a manifestação da mazela interior que se manifesta maculando a máquina de carne, que lhe serve de mata-borrão expungindo a nódoa espiritual. 

O sofrimento que se apresenta no corpo físico, com as limitações, dependências de terceiros, submissão a tratamentos incômodos, tem atenuantes, como os analgésicos e os medicamentos adequados a cada situação que a medicina do mundo aplica eficazmente, como recursos que a Divindade permite em favor a alma em ressarcimento de seus débitos, é acréscimo de misericórdia.  Para isso não é preciso se ter religião e nem acreditar na existência de Deus, pois a misericórdia Divina não depende do entendimento da criatura. No entanto, se o sofredor tem fé e crença verdadeiras no Criador de todas as coisas, terá melhores condições para superar os seus males com coragem, resignação, confiança e esperança que tudo vai passar, mesmo que o corpo físico sucumba à doença, mas que a sua alma se libertará do sofrimento. 

Não se justifica interromper uma vida voluntariamente para fugir de sofrimento, uma vez que não é o corpo que cria a doença, é a alma, com sua carga energética desequilibrada, em razão da consciência comprometida, que provoca a manifestação da doença no corpo, de acordo com o feito que causou tal comprometimento. Não basta eliminar o organismo doente, sem sanar o mal da alma.

A chamada morte assistida, apensar de todas as justificativas que se possa intentar, não passa de ilusão, pois tira dos olhos do Mundo a presença do sofrimento, mas não se dá nenhum suporte à alma que continuará padecendo enormemente longe dos olhos dos que ignoram que a vida não pertence ao corpo e que ela é independente e nunca se extingue, que somente sofre ou é feliz segundo as suas obras. Onde estaria a justiça de Deus se alguém sofresse o que não é de sua conta. Deus é justo! 

                                            Dorival da Silva