quinta-feira, 20 de julho de 2017

Horizonte




Horizonte

Horizonte, onde é o fim.
Seriam as estrelas? Ou o azul indefinível?
Quem o fez? Qual a razão?
Como compreender!

Alguém o criou! Mas, o horizonte não é táctil.
Intocável. Sempre mais distante.
Existe, está ali, mais adiante, mais, mais...
Alcançar, quando?

Como entender? Sempre mais amplo.
Tem todos os ângulos, avança para o infinito.
Por quê? Para quem?
Onde chegará?

Só alguém tão grande poderia criar algo sem fim.
Alguém, Incriado, somente, poderia criar assim.
Horizonte... Horizonte...
Sem fim!


                                                                                   Dorival da Silva

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Sementeiras e ceifas

Sementeiras e ceifas

“Porque o que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção.” - Paulo. (Gálatas, 6:8.)

Plantaremos todos os dias.

É da lei.

Até os inativos e ociosos estão cultivando o joio da imprevidência.

É necessário reconhecer, porém, que diariamente colheremos.

Há vegetais que produzem no curso de breves semanas, outros, no entanto, só revelam frutos na passagem laboriosa de muito tempo.

Em todas as épocas, a turba cria complicações de natureza material, acentuando o labirinto das reencarnações dolorosas, demorando-se nas dificuldades da decadência.

Ainda hoje, surgem os que pretendem curar a honra com o sangue alheio e lavar a injustiça com as represálias do crime. Daí, o ódio de ontem gerando as guerras de hoje, a ambição pessoal formando a miséria que há de vir, os prazeres fáceis reclamando as retificações de amanhã.

Até hoje, decorridos mais de dezenove séculos sobre o Cristianismo, apenas alguns discípulos, de quando em quando, compreendem a necessidade da sementeira da luz espiritual em si mesmos, diferente de quantas se conhecem no mundo, e avançam a caminho do Mestre dos Mestres.

Se desejas, pois, meu amigo, plantar na Lavoura Divina, foge ao velho sistema de semeaduras na corrupção e ceifas na decadência.

Cultiva o bem para a vida eterna.

Repara as multidões, encarceradas no antigo processo de se levantarem para o erro e caírem para a corrigenda, e segue rumo ao Senhor, organizando as próprias aquisições de dons imortais.

Mensagem extraída da obra: Vinha de Luz, ditada pelo Espírito Emmauel, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier,  capítulo 53, publicada em 1951.


Reflexão: Os homens são livres para lançarem sementes de todas as espécies, têm o livre-arbítrio, são senhores de si mesmos; no entanto, existem Leis que regem a Vida Universal, que são perfeitas, sendo uma dessas Leis, a de Justiça, requer a harmonização por aqueles que tenham desajustado o contexto; entendendo que o ajuste deverá ocorrer na intimidade individual dos desarmonizados, pois a ordem natural depende do reajuste de cada infrator.

O Espírito Emmanuel dá o rumo: Se desejas, pois, meu amigo, plantar na Lavoura Divina, foge ao velho sistema de semeaduras na corrupção e ceifas na decadência.”  Assim, tudo o que dá ênfase unicamente às conquistas materiais em detrimento das espirituais, é plantio que merece ser analisado, se não vai obrigar o seu cultivador a reparar a corrupção e a decadência. Aqui se trata de valores morais, que resultam na intimidade da alma e permanecerão após a passagem pelo fenômeno da morte física, aí se verá se o indivíduo é rico ou miserável espiritualmente.

A corrupção não é algo que se origina no ambiente externo, conquanto seja nesse campo que se apresenta para percepção das demais criaturas. Essa conjectura negativa tem fulcro na alma do infrator, que poderia ser neutralizada se a vontade para esse mister existisse, ou se existisse fosse bastante forte para a contenção. No entanto, o desejo de usufruir de vantagem ou de sensação vai ao encontro do que lhe é impróprio, pela ausência de reflexão sobre a consequência da iniciativa, para si e para os outros, assumindo-se responsabilidade de difícil solução, em conta o comprometimento moral, que não se extinguirá com a matéria.

Cultiva o bem para a vida eterna.”  O bem que se cultiva ruma para o infinito, sempre servindo de lastro para sua própria ampliação; o mal sempre será finito, se apresenta resultado satisfatório por algum tempo isto é ilusório, porque o desdobramento é danoso, sendo que tudo o que disso originar terá de ser corrigido pelo usufrutuário dessa ilusão, o que poderá demorar muito tempo e provocar muitas dores até que sane o mal deliberadamente praticado, às vezes perdurará mais de uma reencarnação.

Quantos existem encarcerados em si mesmos, com os problemas emocionais difíceis, que se arrastam a vida inteira; outros encarcerados em corpos limitados pelos desajustes fisiológicos e motores, exigindo grandes esforços para a manutenção da existência? Os sofrimentos de hoje não são de responsabilidades de outrem, mas o resultado de semeadura que deveria ser evitada e que agora apresenta os seus frutos, foi a semeadura de plantas amargosas que oferecem os frutos correspondentes e se faz necessário o recolhimento de todos eles. É a limpeza da consciência diante da Lei Divina.


                                                                         Dorival da Silva

quinta-feira, 6 de julho de 2017

Milagre! Existe, ou não?

Milagre! Existe, ou não?

“Não é, pois, da alçada do Espiritismo a questão dos milagres; mas, ponderando que Deus não faz coisas inúteis, ele emite a seguinte opinião: Não sendo necessários os milagres para a glorificação de Deus, nada no Universo se produz fora do âmbito das leis gerais. Deus não faz milagres, porque, sendo, como são, perfeitas as suas leis, não lhe é necessário derrogá-las. Se há fatos que não compreendemos, é que ainda nos faltam os conhecimentos necessários. ” ¹
1.     A Gênese, capítulo XIII, item 15, Allan Kardec.

Existem ocorrências que têm aparências de fatos extraordinários, que se lhes atribuem sentidos miraculosos. Entretanto, são situações que se dão por Leis Naturais desconhecidas daqueles que propagam os fatos, com base numa interpretação inadequada, nas mais das vezes calcada numa fé cega, quando não se exige explicação.

Os fatos materiais que nos séculos passados não tinham explicações, com o desenvolvimento da Ciência e conhecidas as Leis Naturais que as provocavam, caíram no domínio popular e perderam a condição extraordinária.

No entanto, vive-se ao mesmo tempo duas realidades, a material e a espiritual.  Se os fenômenos materiais a Ciência os elucidaram suas origens e manifestações, o mesmo não se dá com as ocorrências que têm origem no elemento espiritual. Esses são muito mais complexos, pois que são fenômenos inteligentes, acompanhados de emoções, vontades... Trata-se de manifestação de espírito humano, que outrora habitou num corpo, o que se repetiu muitas vezes, sendo que em cada oportunidade em corpo diferente, novo.

Há interferência do mundo espiritual sobre o mundo material, ou seja, os espíritos desencarnados agem sobre os que estão encarnados, auxiliando naquilo de que necessitam, ajudando na solução de seus problemas, quando podem, o que quer dizer, quando a Lei Natural permite. O que corresponde ao mérito já conquistado do paciente encarnado, ou a sua resolução firme de alteração do estado espiritual existente. Há, também, a interferência do espírito encarnado sobre o desencarnado, sendo permanente a via de duas mãos.

Falar-se em “milagre”, entendendo-se como fato extraordinário, inexplicável, sem conhecimento do processo de atendimento, o que, ocorrendo nessas condições, favorecendo um em detrimento de outrem, seria privilégio de um em relação à multidão de necessitados, o que é uma injustiça, pois, se serve a um deveria servir a todos.

A Lei Divina é a Lei Natural, é imutável, não serve exclusivamente a nenhuma criatura, em parte nenhuma do Universo, porque é Lei de Justiça, Lei de Amor.
As dificuldades existentes, as doenças, os aleijões, as misérias e tantas outras coisas que provocam o sofrimento nada mais são que o estado espiritual dos que sofrem, é o distanciamento em que a criatura se encontra do estado de perfeição, individual ou coletivamente.

Jamais a Lei Divina será derrogada para dar exclusividade para esta ou aquela criatura, pois o ser maior de que se denomina Deus, que tem toda a perfeição, no grau absoluto, caso permitisse qualquer oscilação da sua perfeição deixaria de ser o Ser Onipotente.

Existem muitas ocorrências que o vulgo não encontra explicação, porque desconhece as causas, porque acolhe e se satisfaz intelectual e emocionalmente com uma explicação estanque, com a insígnia indiscutível denominada “milagre”.  O que dá solução imediata a todas possíveis indagações sobre a ocorrência, eliminando-se todo o trabalho de análise, pesquisa, buscas trabalhosas para o entendimento.

No entanto, Deus rege todas as coisas através das Leis Naturais, Suas Leis, desde a harmonia dos incontáveis astros da abóboda celeste à germinação da semente, a concepção orgânica no reino animal, o tempo de uma vida no corpo de um ser humano, nada foge a esta Força Ordenadora.

A busca da cura para as doenças difíceis, para as aflições, é obrigação daquele que sofre, no entanto, não cabem mais o imediatismo e o comodismo. É certo que Deus não desampara a nenhuma de suas criaturas, racional ou irracional, mas em relação ao ser humano, que é inteligente e detém muitos recursos espirituais a conhecer e a desenvolver, exige-se uma postura compatível com o seu estado evolutivo.

Com o advento da Doutrina Espírita, que quebrou muitos preconceitos com a luz lançada sobre as causas de muitos fatos que ocorriam desde a antiguidade, que ocasionavam medo e tormentos, dando origem a lendas que perduraram por muitas gerações.  Somente com a revelação da existência do mundo espiritual, que convive com os homens separado apenas pela frequência vibratória diferente, com a ausência da percepção dessa população imensa de desencarnados pela limitação dos órgãos materiais do corpo físico, esta existente para  atender as necessidades dos encarnados, que precisam de oportunidade para consertar os erros e enganos de outras vidas, bem como caminhar evolutivamente em inteligência e moralidade, e encontrar a paz e a felicidade que tanto almeja, harmonizando-se com as Leis Divinas, o que é o objetivo do Criador para todos os homens.

Para encontrar essas verdades reveladas pelo Espiritismo, faz-se indispensável desvestir-se dos preconceitos, principalmente os religiosos, e conhecer os princípios básicos que a Doutrina dos Espíritos apresenta para a compreensão dessa relação com os mortos, segundo a carne, mas vivos espiritualmente, tanto como os habitantes do corpo físico. São princípio básicos, a preexistência e a pós-existência do espírito a vida do corpo físico, a comunicabilidade dos espíritos, a pluralidade das existências e a pluralidade dos mundos habitados.

Ensina Allan Kardec que a Doutrina Espírita é uma Ciência e como toda Ciência precisa ser estudada para que haja entendimento.

A Doutrina Espírita transcende os limites da materialidade, o que as demais Ciências não podem fazer, em conta os protocolos próprios e a ética que as dominam.

O Espiritismo é a Ciência que fluiu da espiritualidade, porque é a Doutrina revelada pelos Espíritos, então não está limitada pelas convenções da academia convencional. Não tem barreira a transpor, pois, não existem as situações que regem os efeitos materiais, vez que a comunicação ocorre no campo extracorpóreo, sendo o pensamento o seu ingrediente essencial, materializando essas manifestações através da escrita (psicografia) e pela expressão oral (psicofonia). Existem várias outras formas de manifestação espiritual, sendo a que estão referidas as mais utilizadas para os efeitos de orientação e instrução.

Em conta o que se expõe acima e tudo mais que se exara na Revelação Espírita, conclui-se pela impossibilidade do que se chama “milagre”; conquanto, as chamadas curas e reversão de casos considerados insolúveis não são mais do que ocorrências naturais, que têm por base o mérito e a fé daqueles que os possuem. Como os méritos e a fé são registros que existem na alma, a avaliação não pertence a nenhuma autoridade deste mundo.

“Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. " (Jesus - João, 8:32)


                                                                         Dorival da Silva

quinta-feira, 29 de junho de 2017

Ressuscitará

Ressuscitará

“Disse-lhe Jesus: Teu irmão há de ressuscitar.” - (João, 11:23.)

Há muitos séculos, as escolas religiosas do Cristianismo revestiram o fenômeno da morte de paisagens deprimentes.

Padres que assumem atitudes hieráticas, ministros que comentam as flagelações do inferno, catafalcos negros e panos de luto.

Que poderia criar tudo isso senão o pavor instintivo e o constrangimento obrigatório?

Ninguém nega o sofrimento da separação, espírito algum se furtará ao plantio da saudade no jardim interior. O próprio Cristo emocionou-se junto ao sepulcro de Lázaro. Entretanto, a comoção do Celeste Amigo edificava-se na esperança, acordando a fé viva nos companheiros que o ouviam. A promessa dEle, ao carinho fraternal de Marta, é bastante significativa.

“Teu irmão há de ressuscitar” - asseverou o Mestre.

Daí a instantes, Lázaro era restituído à experiência terrestre, surpreendendo os observadores do inesperado acontecimento.

Gesto que se transformou em vigoroso símbolo, sabemos hoje que o Senhor nos reergue, em toda parte, nas esferas variadas da vida. Há ressurreição vitoriosa e sublime nas zonas carnais e nos círculos diferentes que se dilatam ao infinito.

O espírito mais ensombrado no sepulcro do mal e o coração mais duro são arrancados das trevas psíquicas para a luz da vida eterna.

O Senhor não se sensibilizou tão-somente por Lázaro. Amigo Divino, a sua mão carinhosa se estende a nós todos.

Reponhamos a morte em seu lugar de processo renovador e enchei-vos de confiança no futuro, multiplicando as sementeiras de afeições e serviços santificantes.

Quando perderdes temporariamente a companhia direta de um ente amado, recordai as palavras do Cristo; aquela reduzida família de Betânia é a miniatura da imensa família da Humanidade.

Mensagem extraída da obra: Vinha de Luz, ditada pelo Espírito Emmanuel, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, capítulo 151, em 1951.

______________________________________________________

Reflexão: Jesus trouxe para a Humanidade, de forma atemporal, mensagem de esperança e renovação.  Seus ensinamentos não envelhecem e quanto mais se lhe compreende mais brilhante a Boa Nova se torna.

O Espírito Emmanuel, generosamente comenta o versículo registrado por João, 11:23 – “Disse-lhe Jesus: Teu irmão há de ressuscitar.”, na parte que destacamos: “Gesto que se transformou em vigoroso símbolo, sabemos hoje que o Senhor nos reergue, em toda parte, nas esferas variadas da vida. Há ressurreição vitoriosa e sublime nas zonas carnais e nos círculos diferentes que se dilatam ao infinito.”, traz-nos o Senhor fato modificador de entendimento para quem deseja analisar com seriedade.

Seria morrer de fato se não houvesse a possibilidade de ressurgir, mas Jesus coloca para o mundo o reaparecimento de Lázaro, grandioso que transpôs os séculos, no entanto, somente agora, se consegue entender que o retorno do irmão de Marta era correspondente ao ressurgir de todos nós de nosso estado de morte espiritual transitório.

Sempre que colocamos todas as nossas forças para a conquista de bens materiais, poder, evidência social, esquecidos que estamos apenas vivendo uma experiência, com término em momento imprevisto, estamos mortos espiritualmente. É preciso ressuscitar, retornar ao compromisso que assumimos com a nossa consciência antes de reentrarmos no novo corpo físico, este que estamos agora utilizando (isto é a reencarnação).

Ressuscitar é tornar a condição anterior à ilusão de um período que deliberamos viver pela ganância, vaidade, orgulho, egoísmo...

Ressuscitar é, também, retornar à condição anterior do estado de depressão, pânico e tantos outros problemas psicológicos e psiquiátricos.

Ressurgir é voltar ao estado de normalidade espiritual, conquanto poderemos receber ajuda medicamentosa, profissional, amorosa, até que fiquemos novamente em pé, mas será a nossa vontade que nos fará andar, superando com clareza e coragem as nossas inferioridades naturais de quem está no caminho evolutivo. Embrenhar-se novamente nas ilusões e fantasias é morrer outra vez espiritualmente, embora fisicamente possa-se parecer normal.

Jesus nos trouxe a mensagem essencial, os Benfeitores Espirituais aclararam o entendimento, e cabe a cada um de nós o próprio salvamento das mazelas que cultivamos, utilizando-se das claridades que o Mundo Espiritual esparge sobre os homens. Onde estaria o mérito do aprendiz. Como chegaríamos a ser mestres se ainda não aprendemos a ser alunos?


                                               Dorival da Silva

quinta-feira, 22 de junho de 2017

Orar é preciso. Sabes orar?

Felicidade que a prece proporciona

 

Vinde, vós que desejais crer. Os Espíritos celestes acorrem a vos anunciar grandes coisas. Deus, meus filhos, abre os seus tesouros, para vos outorgar todos os benefícios. Homens incrédulos! Se soubésseis quão grande bem faz a fé ao coração e como induz a alma ao arrependimento e à prece! A prece! ah!... como são tocantes as palavras que saem da boca daquele que ora! A prece é o orvalho divino que aplaca o calor excessivo das paixões. Filha primogênita da fé, ela nos encaminha para a senda que conduz a Deus. No recolhimento e na solidão, estais com Deus. Para vós, já não há mistérios; eles se vos desvendam. Apóstolos do pensamento, é Pedi e obtereis para vós a vida. Vossa alma se desprende da matéria e rola por esses mundos infinitos e etéreos, que os pobres humanos desconhecem.

Avançai, avançai pelas veredas da prece e ouvireis as vozes dos anjos. Que harmonia! Já não são o ruído confuso e os sons estrídulos da Terra; são as liras dos arcanjos; são as vozes brandas e suaves dos serafins, mais delicadas do que as brisas matinais, quando brincam na folhagem dos vossos bosques. Por entre que delícias não caminhareis! A vossa linguagem não poderá exprimir essa ventura, tão rápida entra ela por todos os vossos poros, tão vivo e refrigerante é o manancial em que, orando, se bebe. Dulçorosas vozes, inebriantes perfumes, que a alma ouve e aspira, quando se lança a essas esferas desconhecidas e habitadas pela prece! Sem mescla de desejos carnais, são divinas todas as aspirações. Também vós, orai como o Cristo, levando a sua cruz ao Gólgota, ao Calvário. Carregai a vossa cruz e sentireis as doces emoções que lhe perpassavam na alma, se bem que vergado ao peso de um madeiro infamante. Ele ia morrer, mas para viver a vida celestial na morada de seu Pai. – Santo Agostinho. (Paris, 1861.)

Página extraída de O Evangelho Segundo o Espiritismo, capítulo XXVII, item 23, Allan Kardec


Crer em vão

“Pelo qual também sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado, se não é que crestes em vão.” – Paulo. (1ª Epístola aos Coríntios, 15:2.)

Qual acontece a muitas flores que não atingirão a frutescência na estação adequada, existem inúmeras almas, nos serviços da crença, que não alcançam em longos períodos de luta terrestre a iluminação de si mesmas, por haverem crido em vão nos trilhos da vida.

Paulo de Tarso foi muito explícito quando asseverou aos coríntios que eles seriam salvos se retivessem o Evangelho.

A revelação de Jesus é campo extenso onde há lugar para todos os homens, em nos referindo aos serviços diversos.

Muitos chegam à obra, todavia, não passam além da letra, cooperando nas organizações puramente intelectuais; uns improvisam sistemas teológicos, outros contribuem na estatística e outros ainda se preocupam com a localização histórica do Senhor.

É imperioso reconhecer que toda tarefa digna se reveste de utilidade a seu tempo, de conformidade com os sentimentos do colaborador; contudo, no que condiz com a vida eterna que o Cristianismo nos desdobra ao olhar, é imprescindível retermos em nós o ensinamento do Mestre, com vistas à necessária aplicação.

Cada aprendiz há de ser uma página viva do livro que Jesus está escrevendo com o material evolutivo da Terra. O discípulo gravará o Evangelho na própria existência ou então se preparará ao recomeço do aprendizado, porquanto, sem fixar em si mesmo a luz da lição, debalde terá crido.

Mensagem extraída da obra: O Pão Nosso, capítulo 149, ditado pelo Espírito Emmanuel, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, ano 1950.


Reflexão: Aproveitamos as duas páginas acima, lidas na nossa reunião mediúnica de 11.04.2017, que ensejou comunicação de um Orientador Espiritual, que fez abordagem bastante elucidativa para os presentes na sessão. Não anotaremos exatamente o que o Benfeitor ensinou, pois, a comunicação não foi gravada, no entanto, inspirado nos seus ensinamentos traçaremos alguns apontamentos a respeito.

A prece é a expansão da alma, é um esquecer-se por um instante, e singrar o oceano sideral, não se percebendo nenhuma resistência ou limite. Percebendo-se singularidades que não se poderia notar enquanto encrustado no organismo carnal, pois, a sensibilidade é a espiritual, captando recursos espirituais, puramente.

Avançai, avançai pelas veredas da prece e ouvireis as vozes dos anjos. Que harmonia! Já não são o ruído confuso e os sons estrídulos da Terra; são as liras dos arcanjos; são as vozes brandas e suaves dos serafins, mais delicadas do que as brisas matinais, quando brincam na folhagem dos vossos bosques. (...). Também vós, orai como o Cristo, levando a sua cruz ao Gólgota, ao Calvário. Carregai a vossa cruz e sentireis as doces emoções que lhe perpassavam na alma, se bem que vergado ao peso de um madeiro infamante.”  Santo Agostinho fala da grandiosidade de quem sabe e informa que para essa condição se faz necessário carregar a cruz, a nossa cruz, não mais a de madeira, como àquela imposta a Jesus, que nada devia, mas foi a exemplificação material de algo espiritual, para que entendêssemos que somente se alcançará a plenitude se cumprirmos com os nossos deveres. Irmos até que vençamos os reflexos de nossas atitudes infamantes, que viajam conosco, até que livremos do seu peso, soltando as amarras que não nos permitem avanço além dos limites da matéria.

“Paulo de Tarso foi muito explícito quando asseverou aos coríntios que eles seriam salvos se retivessem o Evangelho.” Emmanuel no seu apontamento reforça a lição do Apóstolo:  “Pelo qual também sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado, se não é que crestes em vão.” A crença cega, a mesmice, a ausência da reflexão, o sofrer por sofrer, sem que nenhuma consequência espiritual se retira do cristianismo que apenas existe nas letras, nos volumes desgastados, na recitação inócua de versos e versículos dos Livros Sagrados.

 “Cada aprendiz há de ser uma página viva do livro que Jesus está escrevendo com o material evolutivo da Terra. O discípulo gravará o Evangelho na própria existência ou então se preparará ao recomeço do aprendizado, porquanto, sem fixar em si mesmo a luz da lição, debalde terá crido.”  O Benfeitor esclarece que: O discípulo gravará o Evangelho na própria existência, portanto, não será Jesus e nem Deus que fará esse trabalho, somos nós mesmos, de consciência desperta e trabalho incessante, que  o faremos. Caso isso não ocorra: “(...)  ou então se preparará ao recomeço do aprendizado”. “(...), sem fixar em si mesmo a luz da lição, debalde terá crido.” Vejamos a sentença: sem a internalização da mensagem do Evangelho de Jesus em nossa alma e a sua vivência, a crença será inútil, vez que teremos que recomeçar o aprendizado em outro momento, possivelmente em circunstâncias adversas das que presenciamos na presente existência.

Analisando a prece, vemos que não é um fato isolado, é o alçar da alma com todos os seus recursos, vivências e entendimentos, carregando em si a clareza e a potência de suas conquistas, assim: “Pedis e obtereis”.


                                                     Dorival da Silva.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

Obediência construtiva

“E assim vos rogo eu, o preso do Senhor, que andeis como é digno da vocação com que fostes chamados.” - Paulo. (Efésios, 4:1.)

Na leitura do Evangelho, é necessário fixar o pensamento nas lições divinas, para que lhes sorvamos o conteúdo de sabedoria.

No versículo sob nossa atenção, reparamos em Paulo de Tarso o exemplo da suprema humildade, perante os desígnios da Providência.

Escrevendo aos Efésios, declara-se o apóstolo prisioneiro do Senhor.

Aquele homem sábio e vigoroso, que se rendera a Jesus, incondicionalmente, às portas de Damasco, revela à comunidade cristã a sublime qualidade de sua fé.

Não se afirma detento dos romanos, nem comenta a situação que resultava da intriga judaica. Não nomeia os algozes, nem se refere às sentinelas que o acompanham de perto.

Não examina serviços prestados.

Não relaciona lamentações.

Compreendendo que permanece a serviço do Cristo e cônscio dos deveres sagrados que lhe competem, dá-se por prisioneiro da Ordem Celestial e continua tranquilamente a própria missão.

Simples frase demonstra-lhe a elevada concepção de obediência.

Anotando-lhe a nobre atitude, conviria lembrar a nossa necessidade de conferir primazia à vontade de Jesus, em nossas experiências.

Quando predominarem, nos quadros da evolução terrestre, os discípulos que se sentem administradores do Senhor, operários do Senhor e cooperadores do Senhor, a Terra alcançará expressiva posição no seio das esferas.

Imitando o exemplo de Paulo, sejamos fiéis servidores do Cristo, em toda parte. Somente assim, abandonaremos a caverna da impulsividade primitiva, colocando-nos a caminho do mundo melhor.

Mensagem extraída da obra: Vinha de Luz, ditada pelo Espírito Emmanuel, pela psicografia de Francisco Cândido Xavier, capítulo 126, ano 1951.



Reflexão: Não se trata de uma obediência cega, que espiritualmente nada produz, nem uma obediência de sentido obtuso, que pudesse causar exclamação dos incautos reencarnados, aqueles que não veem mais do que aquilo que podem tatear.

Assim, o Apóstolo dos Gentios, como bem relata o Benfeitor Emmanuel, na página acima, não faz referência nem às suas contingências físicas, pela prisão, nem estica relevos às tarefas que realizou: “Não se afirma detento dos romanos, nem comenta a situação que resultava da intriga judaica. Não nomeia os algozes, nem se refere às sentinelas que o acompanham de perto. Não examina serviços prestados. Não relaciona lamentações.”  Paulo não estava preso espiritualmente à miserabilidade das convenções dos comportamentos sociais e políticos de seu tempo. As suas considerações são os elevados propósitos do Senhor, com o alcance que não estava limitado ao tempo de sua geração, mas de todas que adviriam.
Paulo, embora preso e vigiado, não se sentia constrangido, pois, espiritualmente estava livre, conhecia o compromisso com a verdade, que extrapolava os limites das grades, das resoluções humanas e do seu tempo. A missão era e é ampliar a entrega das verdades às mentes e corações, como convocou Jesus, O Cristo.
 “Compreendendo que permanece a serviço do Cristo e cônscio dos deveres sagrados que lhe competem, dá-se por prisioneiro da Ordem Celestial e continua tranquilamente a própria missão. Simples frase demonstra-lhe a elevada concepção de obediência.”
A obediência do Apóstolo é lucidez, é interação, é comprometimento com uma causa que extrapola as convenções deste mundo. Trata-se de leis eternas, verdades definitivas, não compreendidas pelos Espíritos em princípio de elucidação, como é predominante na sociedade da Terra, apesar dos milênios passados.
Ele não estava tolhido por imposição alguma, considerando o compromisso de trabalhador do Cristo, integrado na semeadura e cultivo da Boa Nova, pois, a sua alma fluía alcançando os objetivos, esclarecendo e incentivando a vivência da mensagem de Jesus, reconhecido que não se pretendia salvar a matéria, mas retirar o Espírito de seus irmãos da escuridão da ignorância.
A obediência na seara de Jesus é o passo à frente. É a espontaneidade diante do compromisso. O que importa os impedimentos impostos pelo mundo, capazes apenas de tolher e constranger a matéria, se a alma é intocável e livre para acessar a fonte irradiadora da verdade?


                                                Dorival da Silva

quinta-feira, 8 de junho de 2017

VONTADE

Comparemos a mente humana — espelho vivo da consciência lúcida — a um grande escritório, subdividido em diversas seções de serviço.

 Aí possuímos o Departamento do Desejo, em que operam os propósitos e as aspirações, acalentando o estimulo ao trabalho; o Departamento da Inteligência, dilatando os patrimônios da evolução e da cultura; o Departamento da Imaginação, amealhando as riquezas do ideal e da sensibilidade; o Departamento da Memória, arquivando as súmulas da experiência, e outros, ainda, que definem os investimentos da alma.

Acima de todos eles, porém, surge o Gabinete da Vontade.

A Vontade é a gerência esclarecida e vigilante, governando todos os setores da ação mental.

A Divina Providência concedeu-a por auréola luminosa à razão, depois da laboriosa e multimilenária viagem do ser pelas províncias obscuras do instinto.

Para considerar-lhe a importância, basta lembrar que ela é o leme de todos os tipos de força incorporados ao nosso conhecimento.

A eletricidade é energia dinâmica.

O magnetismo é energia estática.

O pensamento é força eletromagnética.

Pensamento, eletricidade e magnetismo conjugam-se em todas as manifestações da Vida Universal, criando gravitação e afinidade, assimilação e desassimilação, nos campos múltiplos da forma que servem à romagem do espírito para as Metas Supremas, traçadas pelo Plano Divino.
A Vontade, contudo, é o impacto determinante.

Nela dispomos do botão poderoso que decide o movimento ou a inércia da máquina.

O cérebro é o dínamo que produz a energia mental, segundo a capacidade de reflexão que lhe é própria; no entanto, na Vontade temos o controle que a dirige nesse ou naquele rumo, estabelecendo causas que comandam os problemas do destino.

Sem ela, o Desejo pode comprar ao engano aflitivos séculos de reparação e sofrimento, a Inteligência pode aprisionar-se na enxovia da criminalidade, a Imaginação pode gerar perigosos monstros na sombra, e a memória, não obstante fiel à sua função de registradora, conforme a destinação que a Natureza lhe assinala, pode cair em deplorável relaxamento.

Só a Vontade é suficientemente forte para sustentar a harmonia do espírito.

Em verdade, ela não consegue impedir a reflexão mental, quando se trate da conexão entre os semelhantes, porque a sintonia constitui lei inderrogável, mas pode impor o jugo da disciplina sobre os elementos que administra, de modo a mantê-los coesos na corrente do bem.

Mensagem extraída da obra: Pensamento e Vida, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, capítulo 2, em 1958.

-----------------------------------------------------------------------------

Reflexão: O Benfeitor Emmanuel para explicar a Vontade faz um esboço da mente humana, algo extraordinário para o estudante da Doutrina Espírita, portanto, aqueles que estão ávidos pelos conhecimentos mais aprofundados da alma e seus poderes que precisam de disciplina e ordem, fundamentais para se alcançar as vitórias sobre si mesmo, libertando o Espírito para alçar voo maiores rumo a plenitude espiritual. 

O Orientador Espiritual traça uma comparação da mente com um escritório, dá significado funcional para os departamentos: Desejo, Inteligência, Imaginação e Memória, estando a Vontade numa condição gerencial dessas forças que sem disciplina levam a alma a atraso evolutivo significativo, com prejuízos enormes na sua economia espiritual.

Emmanuel ensina que: “Só a Vontade é suficientemente forte para sustentar a harmonia do espírito.”  Dando com precisão as consequências que poderão os departamentos da mente sem o controle da Vontade gerarem: “Sem ela, o Desejo pode comprar ao engano aflitivos séculos de reparação e sofrimento, a Inteligência pode aprisionar-se na enxovia da criminalidade, a Imaginação pode gerar perigosos monstros na sombra, e a Memória, não obstante fiel à sua função de registradora, conforme a destinação que a Natureza lhe assinala, pode cair em deplorável relaxamento.”

O fecho da lição é muito revelador de algo substancial ao entendimento do estudante: “Em verdade, ela (a Vontade) não consegue impedir a reflexão mental, quando se trate da conexão entre os semelhantes, porque a sintonia constitui lei inderrogável, mas pode impor o jugo da disciplina sobre os elementos que administra, de modo a mantê-los coesos na corrente do bem.” 

Assim, leva á compreensão do ensinamento de Paulo, o aposto, quando enuncia: Tudo me é permitido", mas nem tudo convém. (1 Coríntios 6:12).”  É a Vontade em ação.


                                                                   Dorival da Silva