quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Reencarnação! Do que se trata?


   Reencarnação! Do que se trata?

Reencarnação, em conceito simples, é: o retorno do Espírito à vida material em um novo corpo. Todos os que estão num corpo físico estão reencarnados.
  
Trata-se de processo complexo essa viagem de um mundo sutil para um mundo material.  Não é estranho ao Espírito reencarnado, vez que todos os seres Humanos existentes na Terra renasceram e morreram inumeráveis vezes. Entretanto, as tradições e os usos e costumes dos milênios que se sucederam, trouxeram elementos que formaram conceitos equivocados.
À ausência de análise mais apurada e o comodismo agregado aos preconceitos dos mais diversos, estabeleceram paradigmas tidos como verdades inquestionáveis, que se enraizaram em grande parcela da Humanidade do Planeta como barreira intransponível.
A inexistência quase absoluta do autoquestionamento sobre a vida antes desta vida, da existência em curso e o que posteriormente a morte física o que se dará, para onde irá.  
Sob a ótica espiritual a vida é sempre uma continuidade, sem nunca ter tido interrupção, conquanto a entrada e saída na vida material (corpo físico) a vida do Espírito é única.
“— O princípio da reencarnação é uma consequência necessária da lei de progresso. Sem a reencarnação, como se explicaria a diferença que existe entre o presente estado social e o dos tempos de barbárie? Se as almas são criadas ao mesmo tempo que os corpos, as que nascem hoje são tão novas, tão primitivas, quanto as que viviam há mil anos; acrescentemos que nenhuma conexão haveria entre elas, nenhuma relação necessária; seriam todas estranhas umas às outras. Por que, então, as de hoje haviam de ser melhor dotadas por Deus, do que as que as precederam? (...)” (1)
Como ninguém pode compreender o Criador, sem que seja infinito em tudo, tal como considerá-Lo a inteligência suprema e a causa primeira de todas as coisas (2) no Universo, tais como Seus atributos: eterno, infinito, imutável, imaterial, único, onipotente, soberanamente justo e bom... (3), há de se perceber que na justiça divina não pode existir privilégio em sentido nenhum, nem na Terra ou em remota paragem do Universo.  Qualquer das almas que não tivesse partido de um mesmo ponto, tendo obtido alguma vantagem ou desvantagem, mesmo que insignificante, colocaria em causa a justiça divina. O que é impensável, a qualquer um de mínima razão. 
Portanto, diante da ideia de justiça plena da divindade e sendo uma de suas leis a lei de progresso, que toda a criação está subordinada, e é fatal, porque ocorre independentemente de percebê-la, compreendê-la ou não, assim, é possível deduzir que todos os seres -- aqui se refere à alma humana -- tiveram seu início num estado de total ignorância, embora possuíssem todos os atributos em estado latente. Os homens de hoje, pelo estágio de sua inteligência e demais valores desenvolvidos, trilharam milênios incontáveis, vivenciando experiências inúmeras, errando e acertando, formando os caracteres necessários à construção de si mesmos, que ainda requer uma trajetória nos milênios futuros até o estado de pureza de sentimento e plenitude de inteligência.
A reencarnação é conhecida desde os primeiros tempos da Humanidade, foram as tradições que mudaram o entendimento, o que vem novamente ser trazida à baila na atualidade através dos ensinamentos da Doutrina Espírita, visando esclarecer aos homens modernos sobre a verdade, que é natural, mas que ficou envolta pelas nuvens escuras da ignorância, do interesse ou da má-fé nos milênios que se passaram. 
“Nada há encoberto que não venha a descobrir-se, nem oculto que não venha a saber-se” (4).

“Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (5).

1.     A Gênese – Allan Kardec – capítulo XI, item 33
2.     O Livro dos Espíritos – Allan Kardec – questão nº 1
3.     Idem – questão nº 13
4.     S. Lucas, 12-2
5.     S. João, 8-32
                                                                           Dorival da Silva
                                                                        

Nenhum comentário:

Postar um comentário